Imaginando, transformando e realizando.

É isso que atualmente tenho feito e até por este motivo venho postando poucas coisas aqui neste canal.

Mas, vamos em frente, hoje, um pouco do que tenho feito no dia a dia, seja preparando aulas, ou criando peças para vender na “Lujinha da Frosina”, minha loja de tecidos em Jaú-SP.

Beijo para todas, confira abaixo alguns trabalhos.

Frosina Inspiridíssima

A inspiração tomou conta da Frosina, que criou lindas opções em guardanapos e bate mãos, para presentes exclusivos de natal.

Confira a arte e a qualidade destes trabalhos.

Retomando as atividades em nosso site, hoje falar sobre um evento que vamos realizar na cidade Jaú-SP. É o 1º Café Criare com Frosina, onde vou expor diferentes peças de artesanato com preços acessível e muita arte envolvida.

O evento vai acontecer dia 18/11 – sábado – onde teremos um delicioso café, e muitas novidades na Frosina, e da Criare, que vão encantar seu natal.

Confira as fotos, de algumas peças que já estão em exposição na Criare Jaú, Rua Quintino Bocaiuva, 961, e venha nos prestigiar.

27 mar 2016

coelhos-erica-javaroni20160327_080652 20160323_092246 20160323_092517

postagem-blog-pat postagem-blog-pat7postagem-blog-pat2 postagem-blog-pat3 postagem-blog-pat4 postagem-blog-pat5 postagem-blog-pat6

A sexta e o sábado foram assim!!!
Customizando, costurando…fazendo arte com as minhas meninas!

Li em um post e concordo plenamente:

Bordar, costurar, pintar, fazer qualquer tipo de artesanato não transforma somente as peças em questão, mas transforma as pessoas envolvidas e o mundo a sua volta!

Através do artesanato exercitamos a concentração, a paciência, a convivência, a humanidade que existe em nós, o nosso autocontrole, a capacidade de transformação, o respeito e o reaproveitamento, isso no mínimo! Portanto, não fique fora dessa! Vem fazer arte também!!!

Sexta-feira:

bn_raizen_erica-javaroni

Oficina de customização de camisetas com a técnica de patchaplique na Fundação Raízen em Dois Córregos.  Fui através do SENAC dar uma oficina no projeto maravilhoso da Raízen – 8º Educar! É sempre um prazer participar destes eventos que mobilizam toda a comunidade.

Sábado:

bn_senac-pathwork

Aula de patchwork no SENAC-Jaú. Montamos estojos com os blocos construídos com a técnica Crazy! Parabéns meninas!!! E sábado que vem tem mais!

Look do dia!

look-do-dia-sexta-sabado

Com este calor o look foi descontraído e bem fresquinho:

T-shirt divertida da Compre bem Barra Bonita e saia jeans customizada por mim, calça que virou saia na altura midi. Gostou? Na Compre bem tem as mais diversas estampas em T-shirt fresquinhas, mini saias e shorts jeans para todos os gostos e tamanhos! Confiram!

Olá Pessoal, sou apaixonada por patchwork, confiram a matéria e falem…tem como não amar? Vem fazer arte com a gente!!!

Você sabe o que é patchwork?

Esta palavra de origem inglesa significa trabalho feito a partir de retalhos de tecidos que são unidos por diversas técnicas formando padronagens diferenciadas em peças maiores chamadas de blocos.

Você pode fazer vários blocos da mesma ou de diferentes técnicas e unir os blocos formando o que chamamos o topo da peça. Quando unimos o topo da peça com a manta e o forro formando o conhecido sanduiche obtemos o quilt.

Podemos com esta técnica de quilt montar uma infinidade de peças como bolsas, roupas, mantas, colchas, almofadas, trilhos de mesa, panôs etc. O que a sua criatividade mandar!

Após o sanduiche estar pronto podemos borda-lo a mão ou a máquina com o objetivo de unir as três camadas – topo, manta e forro. Chamamos de quilting.

Pode ser feito o quilting reto (matelassê) ou o quilting livre que exige um pouco mais de prática. O quilting valoriza o trabalho além de dar excelência de acabamento.

Há peças de patchwork que datam de 3400 a.C. nas civilizações antigas.

Mas a história conta que foi na Inglaterra, Alemanha, França e Itália durante as Cruzadas que o trabalho de patchwork ganhou força, pois as roupas utilizadas pelos soldados embaixo da armadura eram feitas com restos de tecidos. Tinham apenas a função utilitária e de aproveitamento dos tecidos.

Os peregrinos e imigrantes que fugiam de perseguições religiosas na Europa para o Novo Mundo levaram consigo suas colchas e a tradição familiar do patchwork para a América do Norte.

Nesta época as mulheres somente podiam sair de casa em duas ocasiões: para ir à igreja ou as reuniões de quilting. Onde várias mulheres se reuniam para fazer colchas de retalhos. As reuniões eram longas e as técnicas cada vez mais aperfeiçoadas e trabalhadas, pois o intuito delas era que as reuniões se prolongassem, pois os momentos de socialização com as outras mulheres eram a sua única distração. Através das peças executadas conseguiam expressar seus sentimentos, desejos, angustias e até mesmo as suas posições politicas. Assim aos poucos os quiltings passaram de peças utilitárias para peças utilitárias e decorativas.

Aprendia-se muito cedo a costurar. Antes mesmo de completar sete anos as meninas já eram iniciadas na arte, pois para poder casar a moça teria que ter pelo menos 12 colchas, uma para cada mês do ano.  Já pensaram???

E os meninos quando completavam 21 anos ganhavam uma belíssima colcha das mulheres da família representando a sua liberdade.

Com a invenção da máquina de costura em 1846, o patchwork passou a ser feito também a máquina.

Durante as grandes guerras mundiais a técnica do patchwork ficou esquecida quase desaparecendo, pois as mulheres assumiram as tarefas nas fábricas enquanto os maridos estavam em batalhas e não havia mais tempo para os trabalhos manuais.

Foi na década de 70 com o movimento hippie e a volta da valorização dos trabalhos artesanais que o patchwork retomou a sua força.

Em 1978, surgiram materiais e instrumentos que facilitaram muito o trabalho como o cortador circular, a placa de corte e as réguas. Na sequencia as empresas têxteis começaram a investir em desenvolvimento de tecidos e estampas para esta arte.

Hoje, o patchwork é considerado um patrimônio cultural dos Estados Unidos, pois, mesmo sua origem não tendo sido nesse país, foi lá que se desenvolveu intensamente.

O patchwork não é somente um simples trabalho artesanal, mas, com toda a certeza, trata-se de uma verdadeira arte, que movimenta bilhões de dólares por ano.

No Brasil começou a ter maior visibilidade a partir da década de 80. Surgiram os primeiros ateliês ensinando as técnicas do patchwork e quilt.

Desde então vem dia-a-dia ganhando mais adeptas e depois que você conhece a magia do patchwork, ela te envolve de uma forma que não conseguimos mais parar. Este trabalho é terapêutico, recompensar, tornam as pessoas mais felizes e com certeza eleva a sua autoestima.

Confira nas imagens alguns exemplos das possibilidades da arte do patchwork.

Gostou??? Vem fazer arte com a gente! Beijos e até o próximo post!

Aulas: Técnicas Básicas de Patchwork
Curso livre – SENAC – Jaú

Sábado: 08h-12h
Início: 22/08/2015
Término: 19/12/2015

Inscrições
www.sp.senac.br/jau

Da série a sua cozinha merece e você também!

Estes acabaram de sair da máquina, livros de receita!

Gostaram? Dentro temos uma pasta com plásticos para você imprimir as suas receitas preferidas e montar o seu livro de receitas com esta capa personalizada e exclusiva!

Beijos e uma excelente sexta a todos! Com muitas “costurices” vindo por ai!

Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background

 

Para este domingo, “costurices” para animar a semana!

Este foi um pedido de uma cliente e amiga muito querida e foi um prazer poder fazer parte deste momento tão especial! Obrigada pela confiança!

Para comemorar a chegada de uma princesa, com o tema da bonequinha parisiense, saindo das cores tradicionais de menina o resultado ficou muito bonito e harmonioso!

Edredon com a tradicional montagem de patch, mantinha na técnica crazy a partir da casinha encantada, almofadas com técnicas variadas e patchaplique.

Espero que gostem, seguem fotinhos!!! Beijos e até a próxima!

06 jun 2015

Hoje temos o prazer de falar sobre artesanato brasileiro, reconhecido e valorizado mundialmente, menos pelos próprios brasileiros. Daí o título do meu artigo. Acredito que “santo de casa faz milagre, sim!” e no decorrer do artigo espero que vocês concordem comigo.

Compartilho da idéia de varias instituições do setor calçadista, que afirmam que hoje, mais que preço, precisamos investir na criatividade e no design. O que vale para confecção e decoração, assim como para outros setores!

Capacidade para isso temos, sem dúvida, e podemos contar com um poderoso aliado na busca deste diferencial, e dar uma cara ao design brasileiro com a ajuda do artesanato nacional.

Artesanato riquíssimo em qualidade e variedade em materiais e estilos.

A profissionalização vem trazendo a proximidade do setor calçadista ao do artesão. Indústrias e artesãos estão buscando uma equação com saldo positivo para ambos e isso somente será possível com a boa vontade e profissionalismo das partes. Instituições tem sido o elo perdido entre as partes e os resultados são muito promissores.

Como a nossa grandeza territorial é a nossa variedade em artesanatos regionais. A criatividade e a imaginação ganham força em comunidades com recursos escassos e transformam simplicidade em arte. Elementos da natureza ganham novas formas, vida nova e cores surpreendentes nas mãos destes artistas.

Dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior nos mostram um universo talvez pouco conhecido para a maioria dos brasileiros.

Mostram o mercado externo globalizado, e extremamente receptivo a produtos diferenciados que retratem a origem e a história do povo que os produz.

“O artesanato Brasileiro movimenta anualmente cerca de 28 bilhões de reais, ou 2,8% do PIB do país, índices impressionantes que se equivalem aos da indústria automobilística. Hoje existem cerca de 8,5 milhões de pessoas trabalhando na produção do artesanato no Brasil, sendo que, 87% são representados por mulheres, que muitas vezes aprenderam o ofício com as mães, já que os ensinamentos, tradicionalmente, são passados de geração para geração. Todo esse processo atual, não só aumenta a produção e a condição de vida das famílias, como também contribui para um desenvolvimento sustentável de regiões com potencial produtivo e que muitas vezes se encontravam marginalizadas e sem perspectiva alguma.”

Fonte: http://www.brasilviagem.com

Traremos exemplos de artesanatos feitos em nosso país. Ilustrando os dados citados acima buscando unir o artesanato e o setor calçadista e de moda!

Com este artigo, mais que uma agradável leitura, buscou-se trazer a todos a informação, o contato, a possibilidade de novos negócios. A possibilidade criativa de utilizar estas técnicas de artesanato regional para a moda.

Artesanato em Sergipe:

Em Sergipe, o artesanato é tratado como obra de arte. Há grupos de bordadeiras que priorizam o acabamento perfeito das peças. O empenho aumenta as vendas e garante lucros cada vez maiores. São pontos tão pequenos que parecem uma pintura.
Em Lagarto, no interior de Sergipe, a tradição é bordar com ponto cruz, chamado dois por dois. Delicadíssimo, avesso e direito perfeito. As bordadeiras são apoiadas pelo SEBRAE. Os consultores acompanham o grupo há seis anos. Produzem em média 180 peças por mês. O grupo tem um controle de qualidade muito rígido.

Associação Comunitária Santa Rita do Açuzinho
Contato: Raimunda Alves Celestino
Telefone: 79.3635.1017


Renda Irlandesa é sucesso em Sergipe.

É da agulha que sai o sustento de quase 100 famílias. A renda irlandesa é um artesanato tradicional em Divina Pastora, cidade de quatro mil habitantes no interior de Sergipe. A técnica surgiu na Itália, ficou popular nos conventos irlandeses e chegou ao Brasil trazido por freiras no começo do século 20. O grupo tem 86 mulheres que contam com a ajuda do SEBRAE há mais de 10 anos. A técnica é a mesma da renda renascença, popular em Pernambuco. Só muda a matéria-prima. Em Divina Pastora, as rendeiras usam o lacê, um fio de seda. Uma fábrica do Rio de Janeiro é a única no Brasil a produzir o lacê. O SEBRAE estimula outras empresas a entrar neste mercado para baratear a matéria-prima. As artesãs de Divina Pastora atingiram um nível de excelência. A prova disso é o tombamento do trabalho pelo IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. A renda irlandesa virou patrimônio cultural do Brasil. Agora, o grupo quer o selo de indicação geográfica para a renda irlandesa de Divina Pastora. É um direito de propriedade intelectual que pretende eliminar os concorrentes desleais.

Associação para o Desenvolvimento da renda Irlandesa de Divina Pastora
Contato: Elizabete Raimundo dos Santos
Telefone: 79. 3271.1306


Novo Hamburgo – RS: Ateliê Manrehebrom

Nosso trabalho começou com um resgate da cultura gaucha, nos bordados em ponto favo, que são facilmente encontrados em adornos das bombachas.
A partir desses pontos, desenvolvemos muitos outros pontos, e aplicamos em couro. Nossos últimos lançamentos, foram as dobraduras em couro, bem como as flores fabricadas em couro exótico, ambas para aplicação em bolsas ou calçados, trabalhamos com tranças. O tricô com carnal pintado também é uma novidade. Toda nossa fabricação é artesanal. Conta, Marly Ritzel do Amaral.

http://ateliemanrehebrom.blogspot.com
Telefone: (51)30351804


 

Campina da Alegria – Santa Catarina: Projeto Broto do Galho

O Projeto Broto do Galho reúne artesãos da comunidade de Campina da Alegria em Vargem Bonita, no Meio Oeste de Santa Catarina que, de forma associativa e em rede, desenvolvem um trabalho artesanal a partir de resíduos industriais de celulose. A celulose provém da árvore, e o resíduo industrial utilizado vem do processo do papel, o qual era descartado. Surge então uma dupla conotação: a recuperação da celulose descartada, dando-lhe um novo uso, e o início de um projeto de propósito sócio-ambiental. Recuperamos a matéria e promovemos a sustentabilidade local.

O projeto tem como essência o conceito de sustentabilidade, levando em conta as três dimensões fundamentais, a Ambiental, Social e Econômica, e os princípios do comércio justo.  Com a transformação da matéria prima estão sendo desenvolvidas 02 coleções: Broto em papelão (objetos de papelão – descarte industrial) Paixões do Viveiro (objetos de papel machê – resíduo de celulose).

www.brotodogalho.com.br
brotodogalho@brotodogalho.com.br


São Leopoldo -RS : Cilene Costa Acessórios

Há 5 anos ingressei no grupo de artesãs da Assintecal, iniciando o meu trabalho como artesã profissional em produção de flores em couro para o ramo calçadista. A criação das flores para exposição nas feiras de calçados e acessórios é sempre um desafio. É preciso unir a moda e o estilo para criar todos os tipos de flores em couro, fibra, fita e tecido, com design inovador em formas, cores e materiais. Média de produção de 5000 unidades mês.

51 93358562 / 51 35922562
cilenegc47@hotmail.com


Florianópolis – SC: Entrenós

Lorena e Juan trabalham a arte do macramê, a matéria prima utilizada é a linha encerada 100% poliéster de alta resistência. Possui ótimo acabamento e uma ampla variedade de cores, também podem ser trabalhados nesta técnica fibras naturais. As peças a serem desenvolvidas dependem da criatividade e do desejo do cliente. Eles atendem pedidos de todo o Brasil e também do exterior, principais clientes internacionais: Portugal e Itália.

 Entre-nós
www.atitudeartesanal.com/entrenos
entrenos@atitudeartesanal.com


Novo Hamburgo – RS – Arte e Trama

A Arte & Tramas desenvolve e produz tecidos exclusivos em tear manual, trabalhando com diversos materiais, como: peles, couros, sintéticos, tecidos, fios de seda, lã pura e industrializada, algodão, juta, entre outros.
Desenvolvemos tecidos para bolsas, calçados, acessórios, decoração (revestimentos) e confecção (xales, estolas e cachecóis), conforme a preferência e necessidade do cliente.
Tudo começou quando Yasmine Noguerol fazia tecelagem como hobby. Montou uma escola onde ministrava cursos em tear de pente liso.
Desenvolveu trabalhos conceituais em tecelagem para o Centro de Design da Feevale em Novo Hamburgo e empresas de calçados e bolsas onde começou a ser utilizados os tecidos por ela desenvolvidos.
Há 5 anos participa do Inspiramais, Salão de Design e Inovação de Componente para Couro, Calçados e Artefatos, que é coordenado pela Assintecal, com o auxílio do Estilista Walter Rodrigues e sua equipe, onde é a Presidente do Consórcio Criart By Brasil.
Hoje desenvolve e produz tecidos para várias empresas, tais como: Saccaro Móveis, A.M.C. Têxtil (Colcci), Arezzo, Jorge Alex, Serpui Marie, Luz da Lua, Elisa Atheiniense, Carrano, Datelli, Cosmopolita, entre outras.

Contato: Yasmine Noguerol
E-mail: artetramas@terra.com.br
Fone: (51) 3592.0991



 Santa Catarina – Projeto Tranças da Terra

www.trancasdaterra.com.br

O artesanato feito em palha de trigo é uma marca da bela região montanhosa situada no Meio-oeste de Santa Catarina. A técnica dessa produção artesanal foi resgatada pelo Projeto Tranças da Terra, nascido da necessidade de encontrar uma atividade que identificasse a região e gerasse renda para as comunidades rurais. Lançado em 2005, o andamento do projeto demonstra que a iniciativa está transcorrendo em tempo recorde e alcançará os resultados esperados em termos econômicos, sociais e ambientais. O Projeto Tranças da Terra reúne 54 artesãos e 21 produtores de trigo envolvendo mais de cem famílias do Meio Oeste de Santa Catarina que, de forma associativa e em rede, desenvolvem um trabalho artesanal a partir da palha de trigo respeitando as raízes culturais da região. O projeto tem como essência o conceito de desenvolvimento, levando em conta a sustentabilidade social, econômica, ecológica, territorial e cultural e os princípios do comércio justo. O Projeto alcançou varias premiações.


Agradecimentos pelo apoio na elaboração do arquivo:

Thais Bertoldi Verdinelli – Técnica responsável pela área de moda SENAC-Jaú
Criart Cilene – Foto cedida pela Assintecal
Silvana Dilly – Gerente de Design e Inovação – Assintecal by Brasil
Neusa Oliveira – Consultora em artesanato de acompanhamento e negócios
Tatiana Souza – Design e consultora do atelier do calçado
Tatiana Ritzel – Design e consultora – Estúdio Compor
Neuma Ferreira – Gestora do Projeto Artesanato em Sergipe – SEBRAE

 

Google+