Influenciado pelos anos 60,80 e 90, o tema trás inspiração nas Lolitas dos anos 60, e referencias dos anos 80 e 90. O branco e preto é forte no tema, as listras, jacquards e brocados com foco na alfaiataria. Uma mulher poderosa, moderna sem medo de ser feliz com as suas escolhas!

Tema para o inverno 2016 – Boho 4 Ever

Os anos 60 e 70 vieram para ficar mesmo! Bordados, estampas, cores e formas destas décadas estarão presentes no nosso inverno mais uma vez.

erica-javaroni-moda-informacao-estampas

Influenciados pela Exposição da estilista e pintora Sonia Delaunay, desenhos Art Noveaus, tapeçarias marroquinas, bordados da Rússia e Ucrânia, as padronagens da ilha de Fair, geometria Bauhaus as estampas vem com tudo.

erica-javaroni-moda-informacao-sonia

Não faltarão fontes para inspirar o desenvolvimento das coleções.

Esta tendência estará na moda do feminino, masculino e infantil assim como na decoração.

erica-javaroni-moda-informacao-bauhaus

Pontos importantes:

Franjas, rendas de algodão, couro, camurça e chamois, mangas amplas, bordados em linha e crochê, detalhes em pelúcia, patchwork em tricô e tecidos, palas fair isle, barrados, gráficos navajo, assimétricos, camuflados, muita estamparia.

erica-javaroni-moda-informacao-fair-isle

As saias vão da mini – mini a saia longa passando com destaque pela saia mídi assim como os vestidos que vão dos longos fluidos as mini vestes fluidas ou mais estruturadas.

Teremos shorts, mas o destaque da estação fica para as saias.

As calças lisas ou estampadas com destaque para a flair.

Os coletes curtos ou longos, os quimonos e as pashiminas vão manter-se como fortes aliados ao look e a franja sempre presente.

erica-javaroni-moda-informacao-bauhaus erica-javaroni-moda-informacao-art-noveau

Os macacões longos e os rompers assim como as salopettes estarão ainda mais fortes.

Os tricôs manterão a força nos jacquards e nas palas fair isle.

Beijos e até a próxima! Continuaremos com o inverno 2016! Acompanhem!!!

Senac Moda Informação 2015

Ontem o dia foi repleto de gente linda e muita informação de moda para o inverno 2016.
SENAC Moda Informação repleto de inspirações para a nova coleção de inverno com palestras incríveis – e eu estava lá registrando tudo para vocês.

Durante os próximos dias colocarei matérias detalhando os temas e tudo que rolou nas palestras.
Não percam!!!

erica-javaroni-moda-informacao-3

erica-javaroni-moda-informacao erica-javaroni-moda-informacao-2

Os temas são:

Boho 4ever

Vitoriano Gótico

Je suis Moderna

Hoje uma prévia com algumas imagens para começar!

Beijos e que venha 2016!!!

24 maio 2015

Kilins – inspirando estampas para o inverno 2016!
O que é Kilim?
A origem do Kilim está profundamente no passado da raça humana, e nós provavelmente nunca saberemos a verdadeira história do seu gênesis. Kilim é uma palavra de origem turca e seu significado é dupla face, ao contrário dos tapetes, os kilins não possuem pêlos, porque sua confecção ao invés dos nós, são dadas laçadas por entre os fios da urdidura como se fosse um bordado.
Hoje em dia o kilim é tecido por povos nômades em vários países do oriente, onde os principais são a Turquia, Irã, Rússia, China, Paquistão, Marrocos e Índia.
Cada kilim tem sua história, seu estilo e sua cultura. Podemos destacar a diferença entre os kilins turcos com os indianos, isto porque os kilins turcos não possuem desenhos de animais e figuras humanas, pois eles seguem as leis do Alcorão, que não permite tal prática, porém nos kilins indianos já encontramos figuras humanas e desenhos de animais estilizados, além de figuras geométricas.
Nem todos os kilins tem a função apenas de decorar um ambiente, alguns são tecidos com desenhos de altar para rezar, outros são usados para transportar mercadorias e outros simplesmente são bordados para serem utilizados como selas de cavalo.
Novos tempos trouxeram novas técnicas, tramas e formatos de kilins, e com esta expansão de variedades e estilos podemos dividi-los nas seguintes categorias: listrados, Ikats, contemporâneos e, claro, os antigos.
Listras:
Perderam a perfeição das linhas óbvias para dar lugar ao jogo de nuances que brincam com as tonalidades sem começo e fim. Expressam a felicidade pelas cores e a arte dos vidros venezianos, além de revelar a inspiração italiana, respeitado referencial em design.
Ikats:
O Ikat é conhecido como uma técnica de tecelagem inspirada numa tradição popular. Atualmente, essa técnica transformou-se em uma estampa típica, com desenhos exclusivos por conta das diversas influências culturais, e é muito tradicional na Guatemala, Camboja, Índia, Espanha e Indonésia
Contemporâneos:
O geometrismo ganha uma perspectiva inovadora, com cores mais acentuadas. Esferas e retângulos em linhas mais sofisticadas compõem um color blocking harmonioso. A simbologia e a natureza, típicas da Península Helênica, também inspiram movimentos nos efeitos das peças.
Antigos:
São peças que podem ser definidas como a trama do tapete. Se enchermos o kilim de lã torna-se um tapete. As tribos utilizam os kilins diariamente para as mais variadas atividades. Os nomes dos kilins são dados em relação e região que são tecidos. Cada qual destas regiões tem desenhos e cores típicas.

De um modo geral os Kilins são objetos decorativos muito usados devido à harmonia de suas cores.
Confira nos slides e observe estas estampas ou estampas inspiradas nelas em roupas, calçados e acessórios do inverno 2016.
Divirta-se!
Algumas informações foram retiradas do site:by kamy

Étnico – inspiram estampas para o inverno 2016!

Para o inverno 2016, os temas étnicos são uma das apostas certeiras!

Este tema colorido e vibrante busca inspiração de várias culturas criando estampas maravilhosas, é uma explosão de cores principalmente das culturas Indiana, Africana e dos povos do Himalaia!

Confira nos slides abaixo e inspire-se!!! Crie a sua estampa!

Friozinho chegando e os handmade estão com tudo! Hoje vamos falar um pouquinho sobre os tricôs e crochês para você ficar inspirada e correr crochetar ou tricotar o seu!

Acesse as fotos abaixo e inspire-se!

Os tricôs e os crochês vão e vem na moda, em algumas épocas já foram considerados até cafonas e em outras o top da moda. A moda é assim! Para esta temporada os tricôs e crochês estão em alta! Aproveitem!

Hoje vemos uma crescente, lenta porém crescente onda do slow fashion.

Um sistema contrário a esta loucura do fast fashion, onde tudo é descartável, rápido e modismo. O slow fashion valoriza o feito à mão (handmade) e a moda mais sustentável em todas as etapas do processo através de um produto com maior durabilidade, com histórias e memórias.

O slow fashion está relacionado com um estilo de vida e ao consumo de produtos locais e artesanais. É a contramão da produção massiva e de baixa qualidade de roupas. O slow fashion defende a criação de peças atemporais, feitas à mão, com tecidos naturais como o algodão, seda, linho. As produções são reduzidas em locais que funcionam como ateliês e não como indústrias.

Eu particularmente sou adepta antes mesmo de ter sido assim denominado!

O que você acha do slow fashion?

Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background

Dica para os meninos – Inverno 2016

Para as regiões mais frias do planeta, os casacos longos e peludos farão o quentinho do inverno. Aqui para a nossa área, os tricôs farão a vez.

Os tricôs vêm forte no feminino e também no masculino, com cores quentes, em cashmere felpudo, degrade e desenhos geométricos.

Para os mais discretos os tons de cinza são uma ótima opção.

Confira nas imagens e inspire-se!!!

Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background

Olá pessoal

Segue uma pequena prévia das cores e estampas do Inverno 2016! Confira!

Marrons, laranjas, verde-oliva, vermelho, tons das folhas secas do outono.

O animal print tentou ficar em segundo plano no inverno 2015, mas volta com tudo repaginado, colorido e estilizado em 2016 para a felicidade das brasileiras que adoram a estampa. Destaque para as oncinhas, zebras e girafas!

As estampas tradicionais da alfaiataria ganham novas proporções e situações de uso.

Os conjuntinhos aparecem em quase todas as coleções, estampados ou lisos e os terninhos trazem uma nova versão, bem mais moderninhos, mas sem perder o dress code empresarial!

O preto tem presença garantida, o vestido da vez fica no midi ou longo – confira nas fotos o shape da vez!

O neutro ficou mais amarelado, perdeu o tom rosado do nude.

 

Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background

29 abr 2015

topo-erica-javaroni-gender

Tradução livre: além do gênero

Os últimos desfiles revisitaram o tema e o debate gera polêmica no mundo fashion. Com certeza está influenciando e será forte tendência para o inverno 2016. Fique atento!

Em muitos desfiles você não sabia quem era o menino e quem era a menina, propostas de roupas iguais para ambos os gêneros influenciam até a postura do ponto de venda.

Pois é, algumas lojas de grande porte já estão revendo a sua segmentação e as exposições das peças na área de vendas já não seguem mais o feminino/masculino, são peças de roupas, de moda que traduzem comportamento e atitude e podem ser usadas por quem às quiser independente do gênero. Claro que ainda leva um tempo para este conceito chegar à massa. Mas vai chegar, acreditem!

As peças em alfaiataria e as cores neutras ganham espaço com este movimento.

“Saias para homens, ternos para mulheres e as linhas que definiam o masculino/feminino vão se apagando. Mas a discussão atual é bem maior e vai além”, observa a analista cultural Carolina Althaller. Ela explica que essa, digamos, nova fase da discussão sobre a neutralização dos gêneros na moda eclodiu há cerca de cinco anos, quando o modelo Andrej Pejic (hoje Andreja) começou a desfilar para coleções femininas de ready-to-wear e Alta-Costura de Jean Paul Gaultier, uma das primeiras marcas a apostar na sua imagem. Andrej podia ser tanto um menino quanto uma menina. Depois disso, Andreja chegou a subir em passarelas nacionais para a Ausländer e abriu as portas para outros modelos transgêneros como a brasileira Lea T – que, vale ressaltar, também contou com o valioso empurrãozinho de seu amigo Riccardo Tisci, diretor criativo da Givenchy, para deslanchar sua carreira.

Mas, se a moda sempre ultrapassou as fronteiras entre feminino/masculino (especialmente com a ajuda do mundo das artes, da música e das celebridades), por que o movimento tem ganhado força agora? Para o consultor criativo e de tendências Jackson Araujo, isso passa pelo fenômeno chamado de transculturalismo, que salienta a fluidez entre as fronteiras culturais e no qual não cabem mais definições pré-estabelecidas sobre papéis masculinos e/ou femininos. “A cultura de consumo contemporânea, por exemplo, tem colocado em choque as relações tradicionais de gênero e classe social”, explica ele. “Com isso, o mapa de mobilidade social está sendo redesenhado em escala global, garantindo novos valores para os espaços públicos, imagem corporal e classe social, desafiando categorias identitárias anteriormente existentes. Basta pensar na nova classe média, no acesso ao consumo de grifes. Ou nas festas de rua, que ocupam o espaço público, colocando os cidadãos como protagonistas das novas cidades. Ou ainda, nos avanços sobre a constituição de novos modelos de família.” A tudo isso se soma ainda o poder engajador das redes sociais, que empodera, une e dá força a essa dinâmica global.

É aguardar e conferir!!!

Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background
Slide background

Fontes visitadas: ffw.com.br e Agencia Fotosite

Google+